sábado, 3 de maio de 2014

Coadjuvantes ou protagonistas?

1 comentários
                                         

Reflito bastante sobre qual é a missão de cada um no mundo e o que cada um pensa sobre isso.
Eu vivo e luto inconstantemente por isso, deixar minha marca no mundo, mas há os que acreditam que viver e ser um cidadão direito, trabalhar, beber a cervejinha no final de semana pagar as contas já basta para fazer sua parte.

Será que é isso mesmo?

Na prática, se você pensa assim, não acredito que esteja errado, afinal sua contribuição para fazer o mundo continuar rodando está sendo feita, mas é realmente isso que você espera que o mundo te dê em troca?

Talvez eu esteja errada de esperar tanto das pessoas, porém não entra na minha cabeça como alguém pode reclamar de algo, mas não fazer nada para mudar ou viver apenas para fazer parte do sistema.
Sistema esse que quer exatamente isso da gente, ganhar para gastar, gastar para ter a necessidade de trabalhar para ganhar mais um pouco e aí o ciclo começa e recomeça.

Fazer parte do sistema te faz protagonista? 

pro•ta•go•nis•ta 

1. Principal .ator.
2. [Figurado]  Pessoa que ocupa o primeiro lugar em qualquer acontecimento.
3. Promotor.
4. Interveniente em episódios da vida .cotidiana.

Fazer parte do sistema não seria somente deixar a vida passar, pelo menos um pouco feliz? 

Talvez eu só deva relaxar, aproveitar cada momento e parar de esperar tanto de todos, mas será que estamos aqui só para isso mesmo, não consigo acreditar que o proposito disso tudo, é somente para no final, esperar minha morte.

Devido ao mundo em que vivemos com tantos problemas sociais é tão pouco viver nossa própria vida, seria realmente muito bom, não pensar em tantas coisas, viver com a cabeça mais vazia, com menos preocupação, preocupações essas que muitas vezes nem deveriam ser minhas ou na verdade não são, só é impossível fechar os olhos quando você já os abriu.

Aquela historinha de cada um tem um dom, cada um tem uma missão, acho extremamente real e válida, só temos que descobrir isso e saber como usar para melhorar a sociedade a nosso redor.

Muitos devem estar levando e pensando: “tadinha, nada disso adianta, afinal, olha a corrupção, olha quantas pessoas passam fome, olhem quanta gente que não presta”, mas eu acredito que se você não faz nada para melhorar ou pelo menos para se informar, sobre tudo que possa te incomodar, você é conivente!

Eu prefiro fazer parte da galera que deixa os olhos abertos e faz 0,000000001% do que fazer parte de um povo que assiste futebol, tomando uma cerveja e deixando de questionar de qualquer conceito que te rotulam.

Não quero deixar uma mensagem de uma pessoa certinha, de como você deve seguir sua vida, mas sim uma reflexão se não estamos vivendo tão superficialmente perante a sociedade.

Se eu estiver errada ao pensar assim que eu comece a aprender tudo de novo e que eu perca essa necessidade que eu tenho de me fazer sentir completa e de completar um pouco o mundo.

Eu me sinto um estrangeiro
Passageiro de algum trem
Que não passa por aqui
Que não passa de ilusão
Entre americanos e soviéticos, gregos e troianos
Entra ano e sai ano, sempre os mesmos planos




quinta-feira, 1 de maio de 2014

Um sorriso ou dois - Para mulheres que querem mais

2 comentários


Nota: 

Conheci o trabalho do Frederico Elboni pelo facebook, não sei dizer o primeiro texto que li dele, mas foi um que pensei: "Nossa, se todo homem pensasse assim", porém depois não continuei acompanhando seus trabalhos, mas logo que vi que ele tinha feito um livro, comprei na hora e não me arrependo nenhum pouco, como prova disso, uma semana depois, pedi outro para presentear.

O livro é composto por diversas crônicas que relata casos comuns, que todas nós já enfrentamos e já questionamos um dia, do ponto de vista de um homem, também contém crônicas mais literárias e “quentes” digamos assim..rs

Os textos são de leitura fácil e gostosa, são coisas simples, porém que nos faz pensar se não estamos levando a vida de maneira tensa demais e desnecessariamente confusa, ele fala de assuntos como amor, gostar, saudade como ele realmente deveria ser visto, de maneira simples e principalmente descomplicada.

Esse livro é aquele que cada vez que você ler tirará lições diferentes, pois acredito que dependa também do momento que você está passando na vida pessoal, social e/ou amorosa.

Recomendo muito esse livro e depois de ler, repasse, pois com certeza vale muito a pena!

Mais amor e mais Frederico Elboni para todos nós!